QUATRO RODAS: Guia de usados: Kia Picanto (2ª geração)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

QUATRO RODAS: Guia de usados: Kia Picanto (2ª geração)

Mensagem por fys_yukio em Sex 13 Jan 2017 - 18:22

Guia de usados: Kia Picanto (2ª geração)

Com fartura de equipamentos, acabamento acima da média e opção de câmbio automático, ele é perfeito para quem não precisa de muito espaço
Por Guilherme Fontana
access_time
22 dez 2016, 19h57 - Atualizado em 23 dez 2016, 11h16


Design da segunda geração ficou bem mais atraente que a primeira (Marco de Bari/Quatro Rodas)

A segunda (e atual) geração do Kia Picanto chegou ao Brasil em meados de 2011, já como linha 2012. Apesar das dimensões continuarem diminutas, a evolução do modelo foi grande: ele ficou mais sofisticado, ganhou aparência mais atraente e adotou um conjunto mecânico mais moderno. Seu grande atrativo, na época, era o fato de ser o primeiro 1.0 a oferecer a opção de câmbio automático.

Os traços e volumes mais modernos e robustos finalmente atraíram os olhares do público masculino, ainda distante de modelos pequenos e com aparência delicada. Na dianteira, por exemplo, ele ganhou faróis e grades com aspecto agressivo em relação à geração anterior. Atrás, as luzes da ré se separaram das lanternas e foram para o para-choque. As rodas de liga leve, itens de série, eram sempre de 14 polegadas. No lançamento, os preços variavam entre R$ 34.900 (manual) e R$ 44.900 (automático).


Na traseira, as luzes de ré declararam independência em relação as lanternas (Marco de Bari/Quatro Rodas

Por dentro, o compacto também agrada com boa montagem e desenho atual. No entanto, fazem falta o marcador de temperatura do motor, o travamento automático das portas com o veículo em movimento (presente nas unidades norte-americanas e europeias) e o destravamento das portas com a retirada da chave da ignição.


Interior do Picanto tem bom acabamento e desenho moderno (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Havia apenas uma opção de motor, mas com uma grata evolução para o mercado brasileiro. Debaixo do capô, ele estreava o 1.0 12V de três cilindros com 80/77 cv e 10,2/9,6 mkgf com etanol/gasolina. O câmbio poderia ser manual de cinco marchas ou automático de quatro, como o testado por QUATRO RODAS na ocasião do lançamento.

Na pista, ele foi de 0 a 100 km/h em 17,1 segundos e fez as médias de consumo de 9,6 e 12 km/l na cidade e na estrada, respectivamente, quando abastecido com etanol. Apesar da leveza em manobras e situações corriqueiras, ele sofre em retomadas e subidas muito íngremes (especialmente se estiver carregado e com ar-condicionado ligado).


Volante, banco do motorista e cintos são ajustáveis em altura (Marco de Bari)


Apesar do espaço não ser generoso, banco traseiro possui cintos de três pontos e apoios de cabeça para todos (Marco de Bari)

Um dos principais trunfos do Picanto sempre foi a lista de equipamentos. Desde a configuração mais barata, ele trazia trio elétrico, rodas de liga leve, sistema de som, direção elétrica e ar-condicionado. São raras as configurações com airbags laterais e de cortina, teto solar e leds em lanternas e faróis, mas elas existem.

Espaço não é o forte do subcompacto. Quem vai atrás, porém, pode até não ir confortável, mas vai seguro: há cintos de três pontos para todos. O porta-malas leva 292 litros, pouco mais do que o VW Up!, que tem 285.


Porta-malas leva até 292 litros, mas bancos podem ser rebatidos (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Com uma nova geração prestes a ser revelada, o atual modelo já passou por duas remodelações visuais – a última, em 2015. Entretanto, as mudanças foram tão discretas que o compacto oferece ainda outras vantagens: já ter passado pela temida desvalorização inicial, oferecer bom custo-benefício e ser confundido com um carro zero quilômetro.

A voz do dono

“Fiz test drive em Onix, HB20, Mobi e Up!. Todos me agradaram, mas bastou dar um pulo na Kia para ver onde o Picanto se destacava: acabamento impecável. Como somos somente minha noiva e eu, rebatendo os bancos traseiros ganhamos um porta malas digno de uma perua, com a comodidade de um carro minúsculo.”

O que eu gosto: “O carro me agradou pelo seu baixo consumo (comprei a versão manual) e por seu visual. Para quem gosta e precisa de carro pequeno, é uma sacada perfeita.”

O que eu odeio: “Para famílias com mais de duas pessoas, o porta malas não atenderá muito bem; outra coisa, não espere ultrapassar com muita facilidade na estrada caso esteja por volta dos 100 km/h. As retomadas são um pouco lentas (típico de qualquer carro 1.0).”

Leonardo Amoyr, 27 anos, empresário, Campos dos Goytacazes (RJ)


Onde o bicho pega

Barulho na partida – Inúmeros proprietários relatam barulhos, como arranhões, na partida do veículo – mesmo em unidades com menos de 10.000 km rodados. Na maior parte dos casos, dois componentes contribuem para o ruído: a bateria, que prejudica o motor de arranque, e o bendix do próprio motor de arranque.

Marcador de combustível
– Este talvez seja o problema com maior número de reclamações. O marcador de combustível apresenta variações durante o uso do carro – podendo marcar como vazio um tanque cheio. A avaria acontece pela oxidação (ou até a queima) da boia de combustível, que perde a capacidade de reconhecer o nível real de combustível presente no reservatório.

Lote sem ABS – Por um erro de estratégia (assumido pela marca, na época), o primeiro lote importado da nova geração chegou ao país sem freios ABS. Atualmente obrigatório em modelos zero quilômetro, o item pode fazer diferença na hora da revenda.

Câmbio de quatro marchas – Apesar do benefício ao pé esquerdo e do pioneirismo no mercado brasileiro, o câmbio automático tem apenas quatro marchas. Além de limitar o desempenho do modelo, que já não apresenta bons números, prejudica também o consumo por trabalhar sempre em rotações mais elevadas do que em transmissões com cinco ou seis marchas.

Revisões não tabeladas – Uma das principais críticas no lançamento da atual geração do Picanto no Brasil foi a falta de preços fixos para as revisões. A ausência só foi resolvida pela Kia agora, em 2016, com a divulgação dos preços das manutenções em seu site. No entanto, os valores valem apenas para carros a partir do ano/modelo 2016. Os anteriores (de 2012 a 2015) continuam desamparados.


Preço médio dos usados (FIPE)

Modelo/Ano 2012 2013 2014 2015 2016
Picanto 1.0 manual R$ 26.858 R$ 29.050 R$ 30.869 – R$ 34.782
Picanto 1.0 automático – R$ 32.780 R$ 35.940 R$ 37.675 R$ 43.435


Nós dissemos…

Setembro de 2011 – “O Picanto sempre foi completo de série. Ar-condicionado, direção com assistência elétrica, airbag duplo, rodas de liga leve, travas, vidros e retrovisores com acionamento elétrico e som completo fazem a alegria do comprador. Em nova geração, o urbano da Kia mantém o bom pacote de equipamentos e adiciona dois ingredientes a que o brasileiro não resiste: desenho atraente e motor flex.”
avatar
fys_yukio
Membro Sênior
Membro Sênior

Mensagens : 223
Localização : São Paulo/SP

Ver perfil do usuário http://www.fotolog.net/fabio_yukio/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum